Veja se a sua foto é inesquecível - Vile Design Agencia Digital Campinas
1941
post-template-default,single,single-post,postid-1941,single-format-standard,ajax_updown_fade,page_not_loaded,qode-page-loading-effect-enabled,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,vss_responsive_adv,vss_width_768,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-13.2,qode-theme-bridge,qode_advanced_footer_responsive_1000,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive

Veja se a sua foto é inesquecível

Cientistas do Massachusetts Institute of Tecnology (MIT) desenvolveram uma ferramenta online que mede o quão marcante é uma imagem.

O algoritmo gera um mapa de calor que identifica quais partes de uma fotografia são mais notáveis – a cor vermelha indica que o local é mais memorizável, enquanto a azul aponta os pontos menos memorizáveis.

As pontuações do recurso são dadas a partir de uma escala que vai de 0 a 1. Uma pontuação acima de 0,9 significa que uma imagem é quase inesquecível, enquanto pontuações iguais ou abaixo de 0,8 indicam o contrário.

Em um teste feito pela EXAME.com, a imagem dos rostos de Angelina Jolie e Brad Pitt obteve pontuação de 0,814, enquanto a foto da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, teve uma pontuação de 0,91. A do vice-presidente Michel Temer também se mostrou altamente marcante com 0,903 pontos. Você pode fazer o teste com a sua própria imagem aqui.

Rosto de Dilma Rousseff: a presidente tem uma imagem extremamente memorizável

A pesquisa

Antes de criar o algoritmo, os pesquisadores realizaram uma série de testes para determinar como os seres humanos memorizam fotografias. Eles exibiram várias imagens, algumas repetidas, e pediram aos participantes para pressionar um botão toda vez que visualizassem uma foto que já tinham visto.

Foi a partir desses testes que os cientistas encontraram uma correlação de 0,68 pontos entre as respostas dos voluntários e a taxa real de repetição da imagem.

Após a fase de avaliação humana, a equipe do MIT criou o algoritmo utilizando uma rede neural convolucional (CNN, em inglês), um conjunto de neurônios artificiais concebidos a partir do arranjo de células neurais no córtex visual – a parte do cérebro que processa a informação visual.

Tais redes usam técnicas de “aprendizado profundo”, um campo da inteligência artificial que ensina os computadores a filtrarem um grande número de dados para encontrar padrões sem o auxílio de humanos. Isso significa que o algoritmo não precisa ser pré-programado.

Essa tecnologia já é utilizada na Siri, a assistente pessoal da Apple, e no recurso de auto marcação de imagens do Facebook.

Para realizar os testes de capacidade do recurso, os cientistas alimentaram o novo algoritmo com milhares de imagens. Cada uma delas recebeu uma “pontuação de memorização”, com base na pesquisa com seres humanos.

Desse modo, eles descobriram que a ferramenta foi capaz de alcançar uma correlação de classificação de 0,64 — ou seja, muito similar aos 0,68 pontos da capacidade de memorização humana.

Consequências do estudo

Além de provar a capacidade de assimilação do algoritmo, os cientistas identificaram quais características de uma fotografia são responsáveis ​​pela sua memorização. Por exemplo, eles descobriram que imagens de pessoas eram mais notáveis do que as de paisagens naturais.

No estudo, a equipe explicou que essa descoberta pode solucionar problemas do mundo real. “Entender o processo de memorização pode nos ajudar a criar sistemas para capturar as informações mais importantes, ou armazenar informações que os seres humanos irão esquecer”, disse Aditya Khosla, autora da pesquisa, em entrevista ao site Phys.Org.

No Comments

Post A Comment